quinta-feira, 20 de julho de 2017

PESSOA ENCOSTADA E SANGUESSUGA

Quase todos nós já fomos vitimas de alguém interesseiro. Está ao seu lado apenas para tirar vantagens de tudo o que você pode servir como benefício, seja em conhecimento, bens financeiros e materiais, prestação de serviços, ainda mais se você for um profissional qualificado e bem nomeado. Se você convive com alguém que deixa de lado certos princípios éticos e morais para se beneficiar de algo, então, provavelmente, está lidando com um oportunista que deixa de lado normas e princípios, visando apenas os próprios interesses. Normalmente, a pessoa interesseira se faz de agradável, simpática e descontraída porque precisa fazer esse teatro para se aproximar de pessoas de seu interesse. Não se preocupa com quem estiver no seu caminho, contanto que alcance o seu objetivo. Então, após alcançá-lo, simplesmente joga fora a pessoa que ele usou como se fosse um objeto qualquer. Invejam desde a família de outras pessoas até o trabalho... o casamento, o grau de instrução... pois no seu caso tudo se resume a ser mau caráter, encostado, preguiçoso, farsante e dissimulado... As pessoas interesseiras geralmente são frustradas profissionalmente, economicamente e até sexualmente. Muitas pessoas se comportam como amigos somente por interesse. A relação de exploração se dá primordialmente sob três aspectos: emocional, financeiros e de serviço. 1– vive reclamando que está sem dinheiro; mas não quer trabalhar, é o que chamamos de “encostado”... seus relacionamentos afetivos mesmo mostram que só deseja ter cama, comida e bebida de forma gratuita e fornecida por outras pessoas... 2 – faz joguinhos emocionais pra conseguir o que quer; As motivações são as mais variadas possíveis: puxar o tapete do colega no trabalho, obter um cargo de chefia, seduzir alguém, desfrutar de bens materiais ou do status do outro. 3– é um mentiroso nato; Sempre dispostos a enganar e manipular para obterem todos os tipos de vantagens possíveis, simplesmente esquecem todos os conceitos de dignidade. Mentem sobre sua formação, sua titularidade, sua qualificação... 4– sempre diz que quer alguma coisa, mas que no momento não pode e se faz de triste para impressionar; 5 – nunca tem dinheiro para pagar nada. Sempre inventa uma estória, que esqueceu a carteira, que ainda não recebeu, que está aguardando um dinheiro de um patrocínio, de um convênio, de um trabalho...etc; O uso de desculpas como crise financeira, problemas de saúde, de que foram “enganados” são os mais usuais. 6 – Quando em relacionamentos, vive fazendo a(o) companheira(o) de banco e fiador; 7 – são arrogantes, inconvenientes e tratam mal quem não concorda com sua falsidade; querem sempre ter a ultima palavra... 8– usa a desculpa que precisa de um carro, moto, charrete para trabalhar porque o dele quebrou; mas na realidade se assemelha mais a um gigolô barato ou cafetina, que cobiça o que não lhe pertence com insana avidez... 9 – não são capazes de comprar nem mesmo a própria comida; 10 – são exploradores e esperam qualquer situação para se darem bem; alegam ter interesses parecidos, dizem gostar das mesmas coisas e até mentem sobre determinados fatos para fingir que têm algo em comum... 11- Escolhem sempre os melhores e mais caros lugares, mas nunca tem o dinheiro pra pagar. Estão sempre inventando uma desculpa para não pagar a conta. 12- Essas pessoas são aproveitadoras. Não querem responsabilidades, mas estão abertas à vantagens. à medida que o tempo passa, o sujeito se isola mais, pois as pessoas começam a perceber sua falsidade, são alertados por quem já as conhece e se afastam. Enfim, cada um mostra o que é, com o passar do tempo... as vezes nem demora muito! Continuamos observando...

FALSOS MESTRES, FALSOS PROFESSORES E FALSOS PRATICANTES.

Com quase duas décadas e meia praticando artes marciais, em especial o Taekwondo, no qual atualmente sou Faixa Preta 3º Dan, sempre me chama a atenção quando vejo pessoas inescrupulosas e farsantes querendo se aproveitar visando lucro, mentindo, enganando e forjando situações. Existem aventureiros que se intitulam de Mestres e professores nesta ou naquela modalidade, utilizando-se da ingenuidade ou falta de conhecimento do público. Um Professor de Artes Marciais que age com ética, dando exemplo e sendo educado e profissionalmente responsável, lapida o caráter dos seus alunos. Particularmente sempre recomendo a quem conheço tomar cuidado com falsos mestres e professores de Artes Marciais, que sem a mínima postura perante a turma onde diz lecionar se intitulam professores por já terem praticado durante algum tempo, geralmente criando “meu sistema”, “meu estilo”... A construção da imagem pessoal e profissional está inerentemente relacionada com dois conceitos básicos: o profissionalismo e a credibilidade. 1- APRESENTAÇÃO PESSOAL INADEQUADA Obrigatoriamente todo professor, principalmente se for Mestre deve dar o exemplo, portando-se de acordo com a arte marcial que ensina, porque a partir do momento em que faz parte de uma Arte Marcial ele passa a representá-la. A boa higiene pessoal, unhas, barba e cabelo devidamente cortados e, vestimenta, forma de falar e conduta dizem muito sobre ele e a forma que ensina. O marketing pessoal é a apresentação da sua imagem, o seu melhor cartão de visitas. 2 - POSTURAS AO ENSINAR Um dos primeiros ensinamentos das Artes Marciais é o respeito e a educação. Essa é a base dos relacionamentos na sociedade, pois ao contrário do que muitos pensam as artes marciais não estão ligadas à violência, inclusive estimulam justamente o contrário. Porém o professor é observado desde o momento em que abre sua academia até o momento em que fecha suas portas para o fim das aulas diárias. Um professor que não se dá ao respeito de reverenciar o Dojang, o tatame; que entra vestido de qualquer jeito para lecionar, que pisa no tatame utilizando sapatos ou tênis não apropriados, caracteriza total desconhecimento da cultura e das regras das Artes Marciais. 3 - TRAJE ADEQUADO Não se vê um Militar se dizer General sem estar trajando seu uniforme com suas insígnias e brasoes. Ele sabe que tem a obrigação de comprovar o que diz ser. Neste caso, o Mestre ou professor deve ser extremamente consciente de que deve se apresentar devidamente trajado com seu Dobok, Quimono ou Gi, por exemplo. Não se existem “combinações esdrúxulas e inventadas” como usar partes de roupas totalmente diferentes para se inventar trajes, como a combinação moletom/ quimono. Manter seu Dobok/ quimono limpo e em condições de treino é obrigação de todo professor. Um professor que aparece á frente de sua turma, repleta ou não de alunos esperando por alguém que seja exemplar e norteador de ensinamentos trajado de forma maltrapilha, assemelhando-se a um espantalho ou andarilho errante. Garante para si o descrédito e a desconfiança que sempre se propaga no boca á boca. Em se tratando de um docente, isso é imperdoável. 4 - PONTUALIDADE E FOCO Um Professor de Artes Marciais que falta muito, que se atrasa constantemente, que não cumpre com seu horário perde a credibilidade. Tais atitudes transmitem desinteresse e falta de comprometimento com os alunos. Um professor com atitude dispersiva também desestimula os praticantes, pois ao invés de lecionar prefere ficar contando “causos” que nada tem a ver com o que os alunos buscam. É comum nestes momentos esses “falsos mestres” fazerem todo tipo de promessas e falsas propagandas, geralmente sobre si mesmos, pois almejam serem chamados de “mestre”, de professor; serem reconhecidos, respeitados e ganhar dinheiro sem fazer o mínimo esforço. Enfim, tentando auxiliar: Desde que com acompanhamento profissional ético e ordenado em sãos princípios, as Artes Marciais são um eficaz processo de formação moral, e impulsionam a capacidade física e mental, ajudando a obter domínio próprio, coragem, honra, lealdade, modéstia e bondade. Sempre devemos ter cuidado com os falsos professores e instrutores de Artes Marciais, independente de modalidade e estilo. Todo aprendizado de Artes Marciais requer um investimento de tempo e dinheiro. Portanto, cuidado com pessoas sem moral, escrúpulo, ética, caráter e honestidade que se fazem passar por mestres e professores. Procure saber a real formação do profissional com quem vai se envolver. Treine sempre com um mestre, professor ou instrutor corretamente formado. Certifique-se que o professor tenha algum documento assinado por entidade idônea e reconhecida e não por alguma associação de fundo de quintal.